quarta-feira, 30 de março de 2016

Como aprender Inglês com Música - ATIVIDADE 04 - LACUNAS

Muito bem, aqui estamos nós com mais uma atividade da série COMO APRENDER INGLÊS COM MÚSICA! :D




A atividade 04 é um exercício bastante conhecido por aí. Trata-se de uma série de procedimentos bem simples, mas que podem ser usados de diversas maneiras. É o famoso exercício de preencher as lacunas, onde:

1) Escolha algumas palavras que deseja retirar do texto e coloque lacunas em seu lugar;
2) Ouça a canção;
3) Confira o resultado.

Não entendeu?
Assista ao vídeo abaixo para obter explicações mais detalhadas:




Veja os exemplos de atividades mostradas no vídeo:





 



Veja as atividades que já foram postadas aqui no blog:




sábado, 26 de março de 2016

A DAMA DO LOTAÇÃO - Nelson Rodrigues

Às dez horas da noite, debaixo de chuva, Carlinhos foi bater na casa do pai. O velho, que andava com a pressão baixa, ruim de saúde como o diabo, tomou um susto:
— Você aqui? A essa hora?
E ele, desabando na poltrona, com profundíssimo suspiro:
— Pois é, meu pai, pois é!
— Como vai Solange? – perguntou o dono da casa. Carlinhos ergueu-se; foi até a janela espiar o jardim pelo vidro. Depois voltou e, sentando-se de novo, larga a bomba:
— Meu pai, desconfio de minha mulher.
Pânico do velho:
— De Solange? Mas você está maluco? Que cretinice é essa?
O filho riu, amargo:
— Antes fosse, meu pai, antes fosse cretinice. Mas o diabo é que andei sabendo de umas coisas… E ela não é a mesma, mudou muito.
Então, o velho, que adorava a nora, que a colocava acima de qualquer dúvida, de qualquer suspeita, teve uma explosão:
— Brigo com você! Rompo! Não te dou nem mais um tostão!
Patético, abrindo os braços aos céus, trovejou:
— Imagine! Duvidar de Solange!
O filho já estava na porta, pronto para sair; disse ainda:
— Se for verdade o que eu desconfio, meu pai, mato minha mulher! Pela luz que me alumia, eu mato, meu pai!

A SUSPEITA

Casados há dois anos, eram felicíssimos. Ambos de ótima família. O pai dele, viúvo e general, em vésperas de aposentadoria, tinha uma dignidade de estátua; na família de Solange havia de tudo: médicos, advogados, banqueiros e, até, ministro de Estado. Dela mesma, se dizia, em toda parte, que era “um amor”; os mais entusiastas e taxativos afirmavam: “É um doce-de-coco”. Sugeria nos gestos e mesmo na figura fina e frágil qualquer coisa de extraterreno. O velho e diabético general poderia pôr a mão no fogo pela nora. Qualquer um faria o mesmo. E todavia… Nessa mesma noite, do aguaceiro, coincidiu de ir jantar com o casal um amigo de infância de ambos, o Assunção. Era desses amigos que entram pela cozinha, que invadem os quartos, numa intimidade absoluta. No meio do jantar, acontece uma pequena fatalidade: cai o guardanapo de Carlinhos. Este curva-se para apanhá-lo e, então, vê, debaixo da mesa, apenas isto: os pés de Solange por cima dos de Assunção ou vice-versa. Carlinhos apanhou o guardanapo e continuou a conversa, a três. Mas já não era o mesmo. Fez a exclamação interior: “Ora essa! Que graça!”. A angústia se antecipou ao raciocínio. E ele já sofria antes mesmo de criar a suspeita, de formulá-la. O que vira, afinal, parecia pouco, Todavia, essa mistura de pés, de sapatos, o amargurou como um contato asqueroso. Depois que o amigo saiu, correra à casa do pai para o primeiro desabafo. No dia seguinte, pela manhã, o velho foi procurar o filho:
— Conta o que houve, direitinho!
O filho contou. Então o general fez um escândalo:
— Toma jeito! Tenha vergonha! Tamanho homem com essas bobagens!
Foi um verdadeiro sermão. Para libertar o rapaz da obsessão, o militar condescendeu em fazer confidências:
— Meu filho, esse negócio de ciúme é uma calamidade! Basta dizer o seguinte: eu tive ciúmes de tua mãe! Houve um momento em que eu apostava a minha cabeça que ela me traia! Vê se é possível?!

A CERTEZA

Entretanto, a certeza de Carlinhos já não dependia de fatos objetivos. Instalara-se nele. Vira o quê? Talvez muito pouco; ou seja, uma posse recíproca de pés, debaixo da mesa. Ninguém trai com os pés, evidentemente. Mas de qualquer maneira ele estava “certo”. Três dias depois, há o encontro acidental com o Assunção, na cidade. O amigo anuncia, alegremente:
— Ontem viajei no lotação com tua mulher.
Mentiu sem motivo:
— Ela me disse.
Em casa, depois do beijo na face, perguntou:
— Tens visto o Assunção?
E ela, passando verniz nas unhas:
— Nunca mais.
— Nem ontem?
— Nem ontem. E por que ontem?
— Nada,
Carlinhos não disse mais uma palavra; lívido, foi no gabinete, apanhou o revólver e o embolsou. Solange mentira! Viu, no fato, um sintoma a mais de infidelidade. A adúltera precisa até mesmo das mentiras desnecessárias. Voltou para a sala; disse à mulher entrando no gabinete:
— Vem cá um instantinho, Solange.
— Vou já, meu filho.
Berrou:
— Agora!
Solange, espantada, atendeu. Assim que ela entrou, Carlinhos fechou a porta, a chave. E mais: pôs o revólver em cima da mesa. Então, cruzando os braços, diante da mulher atônita, disse-lhe horrores. Mas não elevou a voz, nem fez gestos:
— Não adianta negar! Eu sei de tudo! E ela, encostada à parede, perguntava:
— Sabe de que, criatura? Que negócio é esse? Ora veja!
Gritou-lhe no rosto três vezes a palavra cínica! Mentiu que a fizera seguir por um detetive particular; que todos os seus passos eram espionados religiosamente. Até então não nomeara o amante, como se soubesse tudo, menos a identidade do canalha. Só no fim, apanhando o revolver, completou:
— Vou matar esse cachorro do Assunção! Acabar com a raça dele!
A mulher, até então passiva e apenas espantada, atracou-se com o marido, gritando:
— Não, ele não!
Agarrado pela mulher, quis se desprender, num repelão selvagem. Mas ela o imobilizou, com o grito:
— Ele não foi o único! Há outros!

A DAMA DO LOTAÇÃO

Sem excitação, numa calma intensa, foi contando. Um mês depois do casamento, todas as tardes, saia de casa, apanhava o primeiro lotação que passasse. Sentava-se num banco, ao lado de um cavalheiro. Podia ser velho, moço, feio ou bonito; e uma vez – foi até interessante – coincidiu que seu companheiro fosse um mecânico, de macacão azul, que saltaria pouco adiante. O marido, prostrado na cadeira, a cabeça entre as mãos, fez a pergunta pânica:
— Um mecânico?
Solange, na sua maneira objetiva e casta, confirmou:
— Sim.
Mecânico e desconhecido: duas esquinas depois, já cutucara o rapaz: “Eu desço contigo”. O pobre-diabo tivera medo dessa desconhecida linda e granfa. Saltaram juntos: e esta aventura inverossímil foi a primeira, o ponto de partida para muitas outras. No fim de certo tempo, já os motoristas dos lotações a identificavam à distância; e houve um que fingiu um enguiço, para acompanhá-la. Mas esses anônimos, que passavam sem deixar vestígios, amarguravam menos o marido. Ele se enfurecia, na cadeira, com os conhecidos. Além do Assunção, quem mais?
Começou a relação de nomes: fulano, sicrano, beltrano… Carlinhos berrou: “Basta! Chega!”. Em voz alta, fez o exagero melancólico:
— A metade do Rio de Janeiro, sim senhor!
O furor extinguira-se nele. Se fosse um único, se fosse apenas o Assunção, mas eram tantos! Afinal, não poderia sair, pela cidade, caçando os amantes. Ela explicou ainda que, todos os dias, quase com hora marcada, precisava escapar de casa, embarcar no primeiro lotação. O marido a olhava, pasmo de a ver linda, intacta, imaculada. Como e possível que certos sentimentos e atos não exalem mau cheiro? Solange agarrou-se a ele, balbuciava: “Não sou culpada! Não tenho culpa!”. E, de fato, havia, no mais íntimo de sua alma, uma inocência infinita. Dir-se-ia que era outra que se entregava e não ela mesma. Súbito, o marido passa-lhe a mão pelos quadris: — “Sem calça! Deu agora para andar sem calça, sua égua!”. Empurrou-a com um palavrão; passou pela mulher a caminho do quarto; parou, na porta, para dizer:
— Morri para o mundo.

O DEFUNTO

Entrou no quarto, deitou-se na cama, vestido, de paletó, colarinho, gravata, sapatos. Uniu bem os pés; entrelaçou as mãos, na altura do peito; e assim ficou. Pouco depois, a mulher surgiu na porta. Durante alguns momentos esteve imóvel e muda, numa contemplação maravilhada. Acabou murmurando:
— O jantar está na mesa.
Ele, sem se mexer, respondeu:
— Pela ultima vez: morri. Estou morto.
A outra não insistiu. Deixou o quarto, foi dizer à empregada que tirasse a mesa e que não faziam mais as refeições em casa. Em seguida, voltou para o quarto e lá ficou. Apanhou um rosário, sentou-se perto da cama: aceitava a morte do marido como tal; e foi como viúva que rezou. Depois do que ela própria fazia nos lotações, nada mais a espantava. Passou a noite fazendo quarto. No dia seguinte, a mesma cena. E só saiu, à tarde, para sua escapada delirante, de lotação. Regressou horas depois. Retomou o rosário, sentou-se e continuou o velório do marido vivo.
(Conto de "A vida como ela é" - Nelson Rodrigues)




 

sexta-feira, 25 de março de 2016

Resenha: TAROT DOS ANJOS - Monica Buonfiglio

Um livro muito bacana para quem quer ter um primeiro contato com o Tarot é o famoso TAROT DOS ANJOS, de Monica Buonfiglio:



Este é um livro bastante antigo, mas que traz informações e conhecimentos super relevantes para quem se interessa pelo estudo deste fascinante oráculo.

As figuras foram inspiradas em imagens de anjos, e por isso são delicadas e suaves:

Os Arcanos Maiores 

Ao longo da obra, diversas tabelas foram disponibilizadas para sistematizar e facilitar o estudo.



Com certeza, é um ótimo livro para quem tem interesse em ampliar sua biblioteca esotérica e investir em seu autoconhecimento.

Quer saber mais?

Veja a resenha em vídeo: 


quarta-feira, 23 de março de 2016

5 dicas para ser um bom ouvinte

Uma coisa é fato: todo mundo gosta de receber atenção. Todos gostaríamos de ter alguém para ouvir nossos problemas de maneira atenciosa e carinhosa. Não seria maravilhoso poder compartilhar nossos sentimentos e opiniões com alguém sem receber críticas nem julgamentos? Sendo assim, saber OUVIR é uma arte. Aquele que é um bom ouvinte possui, sem sombra de dúvidas, uma grande habilidade em mãos. E a boa notícia é: esse talento pode ser fomentado e desenvolvido, sabia? 



No livro COMO CONQUISTAR AS PESSOAS, de Allan e Barbara Pease (leia a resenha AQUI), podemos encontrar 5 dicas para ser um bom ouvinte. São elas:

1 - Ouça ativamente;
2 - Use breves expressões de encorajamento;
3 - Mantenha contato visual;
4 - Incline-se em direção à pessoa com que estiver conversando;
5 - Não interrompa, atenha-se ao assunto.

Com um pouquinho de boa vontade, você pode se tornar uma pessoa muito mais habilidosa na arte de ouvir, melhorando assim consideravelmente suas relações com os outros. Pessoas que se comunicam de maneira mais efetiva tendem a ter relacionamentos mais pacíficos e duradouros, além de serem mais queridas e bem vistas pelos seus pares. 

Quer saber mais detalhes?
Assista à resenha em vídeo:


domingo, 20 de março de 2016

Resenha: COMO CONQUISTAR AS PESSOAS - Allan & Barbara Pease

Um livrinho bastante interessante e simpático para quem quer melhorar seus relacionamentos e sua capacidade de habilidade social é COMO CONQUISTAR AS PESSOAS, de Allan e Barbara Pease:




Na obra, os autores disponibilizam diversas técnicas para melhorar sua capacidade de comunicação. Comunicar-se bem é a chave para termos sucesso em nossa profissão, nos relacionamentos e na vida. Sem entender as pessoas e sem sermos entendidos por elas, não podemos alcançar nossos objetivos, certo?

O livro é dividido em:

- Os três princípios da natureza humana: trata da necessidade sentir-se importante, o interesse das pessoas por si próprias e a lei do retorno equivalente;
- SEÇÃO A:  Como fazer as pessoas se sentirem importantes;
- SEÇÃO B: Como ser bom de conversa;
- SEÇÃO C: Apresentações de negócios.

Veja maiores detalhes na resenha em vídeo:

Testei: Quarteto para Sobrancelhas - DAILUS

Um quarteto de sombras que tem um bom preço é o da DAILUS:






Produto ideal para corrigir a sobrancelha e iluminar o olhar. Contém duas tonalidades que se adequam à tonalidade dos pelos, um iluminador e um balm para facilitar a aplicação e a durabilidade da correção.

Usei da seguinte forma: 
Após aplicar um pouquinho do balm nas sobrancelhas, preenchi as falhas com a sombra marrom clara. Em seguida, apliquei a sombra iluminadora debaixo das sobrancelhas, para iluminar e levantar o olhar. Fiz algumas vezes o processo inverso também: primeiro apliquei a sombra e depois o balm.

Resultado:
Gostei do quarteto. As sombras são boas, possuem uma boa pigmentação e duram horas. Achei o balm meio melecoso, então preferi usar uma máscara de cílios incolor para pentear e fixar os pelos da sobrancelha, como sempre faço. De qualquer modo, é um bom produto. 

Nota (de 0 a 10): 9,0.

quinta-feira, 17 de março de 2016

Como aprender Inglês com Música - ATIVIDADE 03 - LISTENING (Frases)

Muito bem, aqui estamos com a 3ª atividade para que todos possam aprender Inglês com Música! :D




Esta é uma atividade bem simples. Temos duas versões dela, veja:

Versão 1
Você vai precisar escolher uma canção, conseguir a letra dela, imprimir essa letra e recortar cada frase, ou verso, da seguinte maneira:





Depois, espalhe os versos sobre uma mesa, embaralhe os pedacinhos de papel e coloque a música para tocar. Conforme for ouvindo a canção, vá colocando as frases em ordem.

Versão 2
Escolha uma música e, no editor de textos, coloque um parênteses em frente a cada frase. Embaralhe as frases. Ouça a canção e vá numerando a ordem em que os versos são cantados. Exemplo:







 Para explicações mais detalhadas, assista ao vídeo:



  



Veja também as outras atividades sobre o tema que já foram postadas anteriormente:



Resenha: O PRIMO BASÍLIO - Eça de Queirós

O PRIMO BASÍLIO é uma das principais obras do Realismo Português. Escrito pelo mestre Eça de Queirós, o livro traz a história de um triângulo amoroso entre Jorge, Luísa e Basílio. A amargura e o despeito da criada Juliana dá o tempero ideal à trama, fazendo o leitor refletir sobre diversas questões. Em um estilo ácido e contundente, o autor expõe as hipocrisias e falhas da sociedade lisboeta da época. Com certeza, é um livro que merece ser lido, discutido e comentando até os dias de hoje!




Numa trama cheia de personagens tipicamente burgueses, Eça de Queirós denuncia a falsidade de uma classe social ociosa que só se preocupa com as aparências. Através de Luísa, a mocinha fútil e cheia de ideais românticos, o autor critica o Romantismo e a influência perigosa dos romances idílicos na vida das moças burguesas da época. É, realmente, o retrato de uma época!

Veja as palavras de Eça ao seu amigo Teófilo Braga sobre O PRIMO BASÍLIO:

Ataco a família lisboeta, - a família lisboeta produto do namoro, reunião desagradável de egoísmos que se contradizem (...), um pequeno quadro doméstico, extremamente familiar a quem conhece bem a burguesia de Lisboa.

O diretor Daniel Filho dirigiu, em 1988, uma adaptação da obra para a TV. Um trabalho brilhante, executado por ótimos atores, com especial destaque à inesquecível Marília Pêra, no papel da vingativa Juliana. 


Jorge (Tony Ramos), Luísa (Giulia Gam) e Basílio (Marcos Paulo)

Marília Pêra no papel da criada Juliana


Quer saber mais detalhes sobre a obra?
Assista à resenha em vídeo:


quarta-feira, 16 de março de 2016

Resenha: O TARÔ DO AMOR - Jane Lyle

Um ótimo livro para estudar as questões amorosas através do Jogo de Tarô é O TARÔ DO AMOR, de  Jane Lyle.



A obra vem com um baralho de 22 cartas contendo ilustrações originais e bastante estéticas para os 22 Arcanos Maiores do Tarô. Uma versão muito bonita e refinada deste oráculo milenar, que há tempos fascina várias gerações de estudiosos.




A autora propõe duas jogadas para examinarmos as energias e as tendências de nossa vida amorosa atual. A primeira delas é A Árvore do Amor, onde:

- Posição 1: Você
- Posição 2: Passado
- Posição 3: Presente
- Posição 4: Futuro
- Posição 5: Influências Fundamentais


A Árvore do Amor


A segunda disposição é A Pirâmide do Amor. Nesta jogada, teremos diversas sugestões de interpretação, sempre considerando cada Arcano em sua posição normal e em sua posição invertida. A seção "O Dom" fala da carta em sua posição normal, onde a energia de cada Arcano flui sem obstáculos. Já a seção "O Desafio" descreve o significado quando a carta sai de cabeça para baixo, ou seja, quando há entraves na revelação ou manifestação da sua energia original.
 
- Posição 1: Você
- Posição 2: O companheiro
- Posição 3: O relacionamento
- Posição 4: Futuro


A Pirâmide do Amor

É um livro bastante interessante e que acrescentou muitas informações úteis aos meus estudos de Tarô. Recomendo! :)


Veja a resenha em vídeo: 


segunda-feira, 14 de março de 2016

Testei: Tônico Facial NIVEA - Pele Normal a Seca

Um dos melhores tônicos de limpeza facial que já usei é o da NIVEA:






NIVEA Facial Tônico Equilíbrio Protetor é enriquecido com Vitamina E, B5 e Hydra QI. Tonifica a pele profundamente. Remove impurezas, inclusive resíduos de maquiagem e poluição. 

Usei da seguinte forma: 
Com disquinhos de algodão, apliquei o tônico no rosto, para limpeza e tonificação. Costumo usá-lo também como demaquilante facial.

Resultado:
O resultado é muito bom, sempre. O que mais me agrada nesse tônico é o fato de ele não deixar a minha pele oleosa nem irritada. Já usei alguns outros tônicos e demaquilantes faciais (Clean & Clear Loção Adstringente, Demaquilante Bifásico Mary Kay, Demaquilante Vult, Demaquilante Bifásico Contém 1g) e todos eles deixaram a minha cara pingando óleo. O tônico da Nivea tem o cheirinho bem suave, o que me deixa bastante contente (tenho alergia a perfumes fortes e extravagantes! rs)
Costumo usar esse produto como demaquilante e o resultado é ótimo! Claro que não aplico nos olhos, geralmente uso o demaquilante para olhos da VULT (veja AQUI) nessa região, mas a maquiagem do rosto sai perfeitamente. Vale a pena!

Nota (de 0 a 10): 10!

sexta-feira, 11 de março de 2016

Resenha: AS VANTANGENS DE SER INVISÍVEL - Stephen Chbosky




AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL é muito mais do que um livro recreativo para adolescentes. Com uma narrativa sensível e bem envolvente, o autor nos mostra o dia a dia do jovem Charlie. Na companhia de seus amigos Patrick e Sam, o protagonista compartilha com o leitor suas dúvidas, medos, inseguranças e alegrias. 




O livro é ótimo, e o filme também! A adaptação para o cinema foi muito bem feita, o que deu vida e brilho aos personagens originais. Além disso, a trilha sonora é excelente, mostrando o melhor dos anos 90. Muito legal!
A cena do túnel é uma das minhas preferidas. Leia o trecho do livro e assista à cena do filme AQUI.

Quer saber mais detalhes? 
Veja a resenha em vídeo:


quarta-feira, 9 de março de 2016

Resenha: CEM ANOS DE SOLIDÃO - Gabriel García Márquez

Publicado pela 1ª vez em 1967, CEM ANOS DE SOLIDÃO é considerado um dos mais importantes livros da literatura latino-americana. Narrada no peculiar estilo chamado Realismo Fantástico (escola literária onde fatos mágicos e irreais são aceitos como naturais e corriqueiros pelos personagens), esta obra do escritor colombiano Gabriel Gárcia Márquez tem o poder de despertar a paixão de muitos leitores ao redor do mundo. 





A narrativa descreve cem anos da trajetória da família Buendía, iniciada por José Arcadio Buendía e Úrsula Iguarán. Este casal teve três filhos (José Arcadio, Aureliano e Amaranta) e depois adotaram como filha Rebeca, que ficou órfã de pai e mãe. A história das gerações dos Buendía é narrada em um estilo único, peculiar, original e extremamente bem escrito. Muitos personagens se juntam à trama e fatos extraordinários acontecem ao longo desses cem anos, na fictícia e isolada cidade chamada Macondo, porém o fio condutor da obra é a solidão que assola a todos nós, seres humanos, desde nosso nascimento até o dia de nossa morte.


Árvore Genealógica da Família Buendía


Este livro costuma despertar a paixão de muitas pessoas, porém sua leitura exige uma atenção plena do leitor, pois o volume de informações é imenso e a repetição dos nomes José Arcadio e Aureliano na maioria dos personagens masculinos pode causar uma certa confusão. Os capítulos são bastante longos, o que também requer concentração e disciplina. 


No romance, o tempo é percebido como cíclico, não exatamente linear, e é por isso que os nomes José Arcadio e Aureliano se repetem tanto. O destino dos personagens é propositalmente repetitivo, como se um nome predestinasse o sujeito a ter uma certa sina, um futuro pré-determinado. Podemos notar que todos os José Arcadio são bastante impulsivos, energéticos, voluntariosos, extrovertidos e trabalhadores. Já os Aurelianos são criaturas pacatas, introvertidas, introspecctivas e estudiosas.


Melquíades y sus Pergaminos, de Carlos Ferreyra.

 
O personagem que mais me agradou foi Melquíades, o cigano, pois ele é um elemento que traz novidades e mudanças à vida enfadonha de Macondo. Além disso, seus pergaminhos foram o elemento essencial da trama e explicam muita coisa no final da história. 


Veja a resenha em vídeo: 



Testei: Microesfoliante Purificante Chronos - NATURA

No último mês testei o Microesfoliante Purificante Chronos, da NATURA:





O creme microesfoliante proporciona uma esfoliação intensa através das partículas de bambu, que possuem tamanho reduzido e forma pontiaguda. Formulado com óleo e manteiga vegetais, apresenta sensorial sedoso e aveludado. O uso contínuo do produto auxilia na redução de rugas finas. Recomendado para mulheres a partir de 18 anos.
Conteúdo: 50g
Benefícios: Remoção das células mortas, renovando a textura e a aparência da pele, deixando-a macia, luminosa e uniforme.
Recomendado para todos os tipos de pele.

Usei da seguinte forma: 
Com a pele úmida, apliquei o creme e fiz uma massagem leve, com movimentos circulares. Retirei o produto com água fria abundante.

Resultado:
O resultado é bom, mas achei a esfoliação muito fraca. Mas muito fraca meeesmo! Estou acostumada a usar o esfoliante do kit microdermoabrasão, da Mary Kay (que é maravilhoso!), e por isso achei o efeito desse creme da Natura extremamente suave, quase imperceptível. Que pena! :(

Nota (de 0 a 10): 7,0.

terça-feira, 8 de março de 2016

OS DIFERENTES ESTILOS (Paulo Mendes Campos)

Parodiando Raymond Queneau, que toma um livro inteiro para descrever de todos os modos possíveis um episódio corriqueiro, acontecido em um ônibus de Paris, narra-se aqui, em diversas modalidades de estilo, um fato comum da vida carioca, a saber: o corpo de um homem de quarenta anos presumíveis é encontrado de madrugada pelo vigia de uma construção, às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, não existindo sinais de morte violenta.

Estilo interjetivo
Um cadáver! Encontrado em plena madrugada! Em pleno bairro de Ipanema! Um homem desconhecido! Coitado! Menos de quarenta anos! Um que morreu quando a cidade acordava! Que pena!

Estilo colorido
Na hora cor-de-rosa da aurora, à margem da cinzenta Lagoa Rodrigo de Freitas, um vigia de cor preta encontrou o cadáver de um homem branco, cabelos louros, olhos azuis, trajando calça amarela, casaco pardo, sapato marrom, gravata branca com bolinhas azuis. Para este o destino foi negro.

Estilo antimunicipalista (ou estilo Rigoniano)
Quando mais um dia de sofrimentos e desmandos nasceu para esta cidade tão mal governada, nas margens imundas, esburacadas e fétidas da Lagoa Rodrigo de Freitas, e em cujos arredores falta água há vários meses, sem falar nas frequentes mortandades de peixes já famosas, o vigia de uma construção (já permitiram, por baixo do pano, a ignominosa elevação de gabarito em Ipanema) encontrou o cadáver de um desgraçado morador desta cidade sem policiamento. Como não podia deixar de ser, o corpo ficou ali entregue às moscas que pululam naquele foco de epidemias. Até quando?

Estilo reacionário (ou estilo Edsonlimesco)
Os moradores da Lagoa Rodrigo de Freitas tiveram nesta manhã de hoje o profundo desagrado de deparar com o cadáver de um vagabundo que foi logo escolher para morrer (de bêbado) um dos bairros mais elegantes desta cidade, como já se sabe não bastasse para enfeiar aquele local uma sórdida favela que nos envergonha aos olhos dos americanos que nos visitam ou que nos dão a honra de residir no Rio.

Estilo então
Então o vigia de uma construção em Ipanema, não tendo sono, saiu então para passeio de madrugada. Encontrou então o cadáver de um homem. Resolveu então procurar um guarda. Então o guarda veio e tomou então as providencias necessárias. Aí então eu resolvi te contar isso.

Estilo áulico
À sobremesa, alguém falou ao Presidente que na manhã de hoje o cadáver de um homem havia sido encontrado na Lagoa Rodrigo de Freitas. O Presidente exigiu imediatamente que um de seus auxiliares telegrafasse em seu nome à familia enlutada. Como lhe informassem que a vitima ainda não fora identificada, S. Ex., com o seu estimulante bom humor, alegrou os presentes com uma das suas apreciadas blagues.

Estilo schmidtiano
Coisa terrível é o encontro com um cadáver desconhecido à margem de um lago triste à luz fria da aurora! Trajava-se com alguma humildade mas seus olhos eram azuis, olhos para a festa alegre colorida deste mundo. Era trágico vê-lo morto. Mas ele não estava ali, ingressara para sempre no reino inviolável e escuro da morte, este rio um pouco profundo caluniado de morte.

Estilo Complexo de Édipo
Onde estará a mãezinha do homem encontrado morto na Lagoa Rodrigo de Freitas? Ela que o amamentou, ela que o embalou em seus braços carinhosos?

Estilo preciosista
No crepúsculo matutino de hoje, quando fulgia solitária e longínqua da Estrela-d´Alva, o atalaia de uma construção civil, que perambulava insone pela orla sinuosa e murmurante de uma lagoa serena, deparou com a atra e lúrida visão de um ignoto e gélido ser humano, já eternamente sem o hausto que vivifica.

Estilo Nelson Rodrigues
Usava gravata cor de bolinhas azuis e morreu!

Estilo sem jeito
Eu queria ter o dom da palavra, o gênio de Rui e o estro de um Castro Alves, para descrever o que se passou na manhã de hoje. Mas não sei escrever, porque nem todas as pessoas que têm sentimentos são capazes de expressar esse sentimento. Mas eu gostaria de deixar, ainda que sem brilho literário, tudo aquilo que senti. Não sei se cabe aqui a palavra sensibilidade. Talvez não caiba. Talvez seja uma tragédia. Não sei escrever, mas o leitor poderá perfeitamente imaginar o que foi isso. Triste, muito triste. Ah, se eu soubesse escrever.

Estilo fofoca
Imagina você, Tutsi, que ontem eu fui ao Sacha´s, legalíssimo, e dormi de tarde. Com o Tony. Pois logo hoje, minha filha, que eu estava exausta e tinha hora marcada no cabeleireiro, e estava também querendo dar uma passada na costureira, acho mesmo que vou fazer aquele plissadinho, como a Teresa, o Roberto resolveu me telefonar quando eu estava no melhor do sono. Mas o que era mesmo que eu queria te contar? Ah, menina, quando eu olhei da janela, vi uma coisa horrível, um homem morto lá na beira da Lagoa. Estou tão nervosa! Logo eu que tenho horror a gente morta!

Estilo lúdico ou infantil
Na madrugada de hoje por cima, o corpo de um homem por baixo foi encontrado por cima pelo vigia de uma construção por baixo. A vitima por baixo não trazia identificação por cima. Tinha aparentemente por cima a idade de quarenta anos por baixo.

Estilo concretista
Dead dead man man mexe mexe mexe Mensch Mensch MENSCHEIT

Estilo didático
Podemos encarar a morte do desconhecido encontrado morto à margem da Lagoa em três aspectos: a) policial; b) humano; c) teológico. Policial: o homem em sociedade; humano: o homem em si mesmo; teológico: o homem em Deus. Policia e homem: fenômeno; alma e Deus: epifenômeno. Muito simples, como os senhores veem.
(Paulo Mendes Campos)



segunda-feira, 7 de março de 2016

Testei: Demaquilante para olhos VULT

Um ótimo demaquilante para a área dos olhos é o da VULT:






Descrição do Fabricante:
O Vult Demaquilante para Área dos Olhos foi especialmente desenvolvido para remover maquiagens à prova d'água. O Vult Demaquilante para Área dos Olhos pode ser utilizado diariamente para remover a maquiagem dos olhos, pois foi oftalmologicamente testado e possui fórmula leve com consistência cremosa que garante uma limpeza suave e eficaz. Proporciona um cuidado especial, permitindo a remoção total dos resíduos da maquiagem e mantendo a pele saudável. 


Usei da seguinte forma: 
Com a ajuda de um disquinho de algodão, removo com delicadeza a maquiagem da área dos olhos usando uma pequena quantidade do produto.


Resultado:
O resultado é bom. Sombras, lápis e delineadores são tirados com facilidade. Só tive um pouco de dificuldade em remover a máscara para cílios à prova d'água, geralmente tenho que passar o produto umas duas ou três vezes para conseguir remover tudo. De qualquer maneira, é um bom produto e tem um preço módico.

Nota (de 0 a 10): 9,0.

Para que serve a Literatura?

Muito se tem discutido sobre as funções da arte em geral e em especial sobre a função da literatura. As opiniões são diversas, às vezes contraditórias, variando no decorrer do tempo, já que cada época atribui valores diversos às coisas.
Resumidamente, temos as seguintes considerações a respeito das funções da literatura:

a) Arte pela arte
É uma teoria que nega qualquer finalidade prática à arte. Assim, uma obra literária existe em si, por si, para si e foi escrita unicamente pelo prazer de escrever, não importa que uso o leitor faça dela. Quem defende esse ponto de vista não relaciona arte e vida, procurando desvincular a literatura de qualquer outro fenômeno cultural e social.

b) Literatura como mecanismo de evasão
Evasão equivale a fuga, escape. Segundo alguns estudiosos, a arte preencheria a necessidade de evasão do ser humano. Essa fuga a determinadas circunstâncias e situações de vida e do mundo deve ser considerada em duplo sentido: no que diz respeito ao autor, que constrói um mundo imaginário, novo, inédito, diferente daquele com o qual se sente em desequilíbrio e do qual busca se evadir; e no que diz respeito ao leitor, que mergulha nesse mundo novo para fugir da realidade, mergulhar no imaginário, compensando assim as "falhas" que encontra no mundo real.
Nos dois casos, a literatura seria uma espécie de compensação para o mundo real, um espaço de aspiração e sonhos.

c) Literatura como forma de conhecimento do mundo e do homem
Considera-se que a literatura pode funcionar como meio de revelação das "verdades da vida". Nesse caso, ela é vista como um instrumento de análise e compreensão do homem e do mundo.
Para os que aceitam essa teoria, a literatura teria a capacidade de fazer o leitor refletir sobre seus problemas existenciais, pois o texto literário seria capaz de sugerir uma realidade mais profunda do que a realidade imediata do leitor.
A literatura proporcionaria a vivência de situações impensáveis ou impossíveis no cotidiano, assim como propiciaria ao leitor a possibilidade de encontrar, no mundo ficcional, reflexos de suas próprias angústias, paixões, alegrias, desencantos...
Além disso, a literatura permitiria tomar conhecimento de outras realidades culturais, distantes do leitor no tempo e no espaço.

d) Literatura como catarse
Catarse vem do grego kathaíro, que quer dizer "queimar". Na linguagem médica, catarse é o termo que designa a eliminação de substâncias corporais maléficas e o consequente reequilíbrio da saúde.
Na linguagem religiosa, a palavra designa a purificação do indivíduo através de rituais.
A arte tomou emprestado o termo à filosofia para designar o seguinte mecanismo: ao entrar em contato com os problemas das personagens, colocando-se no lugar delas, projetando nas personagens seus próprios conflitos, o leitor consegue aliviar suas tensões, pelo menos enquanto está lendo. E, no fim da leitura, ainda que tenha sofrido junto com a personagem, resta o alívio de saber que tudo não passou de ficção.
A função catártica da arte ocorreria com maior intensidade no teatro, em que o espectador assiste a uma "representação da vida".

e) Literatura como instrumento político
Alguns críticos e muitos autores consideram a literatura como um instrumento que deveria ser empregado a serviço de uma causa em que acreditam. Nesse caso, só teriam valor as obras que, de alguma forma, contribuíssem para a transformação do meio social em que o escritor atua. Trata-se de uma teoria oposta à da arte pela arte. 
(Faraco & Moura - Literatura Brasileira)


domingo, 6 de março de 2016

PROVA DE AMOR (Marina Colasanti)

“Meu bem, deixa crescer a barba para me agradar”, pediu ele.
E ela, em um supremo esforço de amor, começou a fiar dentro de si, e a laboriosamente expelir aqueles novos pelos, que na pele fechada feriam caminho.
Mas quando, afinal, a doce barba cobriu-lhe o rosto e com orgulho expectante entregou sua estranheza àquele homem: “Você não é mais a mesma”, disse ele.
E se foi.
(Marina Colasanti)




Testei: Base Matte Timewise - MARY KAY

Uma das minhas bases preferidas da vida é a Base líquida de acabamento matte TIMEWISE, da MARY KAY:




Sua fórmula contém vitamina E e um composto exclusivo de peptídeos que intensificam o colágeno, resultando em uma pele mais firme, saudável e rejuvenescida. É a base anti-idade perfeita para peles mistas a oleosas, proporciona redução visível na aparência de poros, linhas finas, rugas e imperfeições na pele.
  • Controle de brilho e oleosidade o dia todo sem a aparência ou sensação de maquiagem pesada.
  • Proporciona à pele um acabamento matte e duradouro.
  • A cor permanece a mesma por várias horas.
  • São 14 tonalidades de cobertura perfeita para a pele.
  • Ótima fixação e resistente ao suor.
 
Usei da seguinte forma: 
Usualmente aplico esta base tanto com as mãos quanto com o pincel apropriado. Costumo sempre usar um primer antes.

Resultado:
O resultado é sempre muito bom. Minha pele se deu bem com esta base, e eu a venho usando há pelo menos uns 3 anos. O acabamento sempre fica perfeito e a duração é bem longa (pelo menos de 5 a 7 horas). Não tenho o que reclamar deste produto. Uso a cor Ivory 7.

Nota (de 0 a 10): 10!

Os produtos da Mary Kay, apesar de serem um pouquinho caros, possuem uma qualidade incontestável. Vale a pena usar!

sexta-feira, 4 de março de 2016

Como aprender Inglês com Música - ATIVIDADE 02 - LISTENING (Palavras)

Uma outra atividade muito útil que pode ser feita por aqueles que estão aprendendo Inglês sozinhos ou mesmo para quem frequenta uma escola de idiomas é esta: uma estratégia simples, em que focamos no Listening, ou seja, na habilidade auditiva do aluno. 

Identificar o som das palavras nem sempre é uma tarefa fácil para todo mundo, mas esse tipo de exercício pode ajudar bastante o aluno a melhorar sua capacidade de Listening. Além disso, essa estratégia também trabalha a memória visual do estudante, uma vez que ele terá que escrever a palavra que ouviu corretamente, respeitando sua grafia adequada.




Vamos lá?

**ATIVIDADE 02: Listening (Palavras)**

- Material: lápis, borracha e uma folha de papel.
- Fonte de input: uma música com letra e, se possível, tradução (procure uma de sua preferência no site www.letras.mus.br).
- Computador conectado à Internet para uso do YouTube ou então CD com a música escolhida.

A estratégia é simples e deve ser executada nos seguintes passos:

1- Escolha uma música de sua preferência;
2- Com lápis e papel à mão, ouça a música e tente anotar as palavras que você entender;
3- Ache a letra da música na internet e confira quantas palavras você acertou.


Veja a explicação detalhada no vídeo:






quinta-feira, 3 de março de 2016

Resenha: O TARÔ DO AMOR - Celina Fioravanti

Um livro de Tarô que me ajudou bastante em meus estudos sobre o tema é O TARÔ DO AMOR, de Celina Fioravanti:




O livro é dedicado totalmente às questões relacionadas à nossa vida amorosa. O amor e os relacionamentos são o foco principal. Usando-se apenas os Arcanos Maiores, a autora propõe um jogo de 7 cartas, onde temos:
Casa 1: O momento
Casa 2: O modo de amar do consulente
Casa 3: O outro
Casa 4: Pontos Positivos
Casa 5: Pontos Negativos
Casa 6: Conclusão/Previsão para o futuro
Casa 7: Uma mensagem do Tarô




O interessante é que a autora disponibilizou diversas sugestões de interpretação, o que facilita (e muito!) a vida do estudante que ainda não domina completamente o oráculo. E, para quem já tem mais experiência, essas sugestões vêm como um complemento do conhecimento já adquirido.

Ao longo do livro, temos tabelas e esquemas que visam ampliar as possibilidades de interpretação das cartas, como por exemplo o capítulo que fala a respeito da questão do tempo dos acontecimentos. Além disso, há também um esquema de como conhecer melhor alguém através da numerologia associada à sua data de nascimento.




Um outro capítulo muito didático é aquele em que temos Perguntas e Respostas relacionadas às questões amorosas. Algumas perguntas que você poderá fazer ao oráculo são: "Ele ou ela me ama?", "Este amor vai dar certo?" ou "Ele ou ela é fiel?"




No final do livro, temos alguns exercícios terapêuticos de meditação com os arcanos maiores do Tarô. Por exemplo, podemos usar o Arcano XV (O Diabo) para fazer uma mentalização de proteção contra as energias negativas. Já o Arcano XIII (A Morte) pode ser usado em um exercício de desapego, para nos ajudar a passar por uma fase de término ou desintegração. Muito legal!

Para maiores informações a respeito do livro, veja a resenha em vídeo: 


Testei: Creme para pentear ABSOLUT REPAIR CORTEX LIPIDIUM - L'oréal

Um produto que me decepcionou um pouquinho foi o carésimo Creme para pentear ABSOLUT REPAIR CORTEX LIPIDIUM, da L'oréal:




Bem, eu sempre usei vários produtos para cabelos da L'oréal e nunca tinha me decepcionado com nenhum deles. Porém, esse creme para pentear não trabalhou tão bem quanto eu esperava, o que é muuito triste... :(

Descrição do Fabricante:
Leave-in termoativo pré-escova para cabelos muito danificados. O L'Oréal Professionnel Absolut Repair Lipidium Reconstructing and Protecting Blow-dry Cream repara as fibras capilares ao entrar em contato com o calor do secador. Ele age recuperando e nutrindo profundamente os fios.
Sua fórmula ainda garante a selagem das cutículas capilares e protege o cabelo. O Absolut Repair Lipidium Reconstructing and Protecting Blow-dry Cream, de L'Oréal Professionnel, reconstrói os fios desde seu interior, garantindo que fiquem saudáveis, com força, brilho e maciez.
 
Usei da seguinte forma: 
Apliquei o produto de várias formas: após hidratações, após reconstruções, após lavar os cabelos com condicionador apenas... Algumas vezes apliquei e deixei os cabelos secarem ao natural e, em outras, usei o secador após o uso (seguindo as instruções do rótulo, uma vez que o produto é termoativado).

Resultado:
O resultado foi bom, mas longe de ser ótimo ou excelente. Meus cabelos ficaram mais macios e desembaraçaram mais facilmente, entretanto o frizz aumentou, ao invés de diminuir. Tenho um cabelo muito fino, mas outros cremes para pentear costumam dar jeito nos fios arrepiados (como por exemplo o Creme para Pentear Hidratação Reparadora, da Natura). Notei que quando usei o secador o resultado foi um pouquinho melhor, mas nem tanto assim. A parte boa é que o cheirinho é muito bom, gostei bastante.

Nota (de 0 a 10): 7,5

Fiquei bem decepcionada com o produto, o que é uma pena. A qualidade das linhas da L'oréal é realmente muito alta, não sei por que esse creme não deu certo para o meu cabelo. Já usei a linha Liss Unlimited, a linha Vitamino Color e deu tudo certo. Que azar!

terça-feira, 1 de março de 2016

Resenha: VERSO EM VOZ (Antologia Sonora) - César Magalhães Borges

A resenha de hoje é sobre um livro de poesia visual e auditiva, idealizado e escrito por César Magalhães Borges (poeta, escritor e professor universitário). A obra se chama VERSO EM VOZ (Antologia Sonora), e é uma coletânea de vários poemas do autor, reunidos em um esmerado trabalho gráfico e sonoro:




O autor escolheu alguns de seus poemas mais interessantes e os presenteou com  uma roupagem musical exclusiva, ou seja,  criou uma identidade musical para cada um deles. Um CD com 37 faixas acompanha o livro, e o leitor tem a opção de ouvir a declamação dos poemas ou somente lê-los impressos, ou então, fazer ambas as coisas. 


QUIXOTES


Além de algumas explicações acerca dos poemas escolhidos, podemos ouvir a declamação dos mesmos com arranjos musicais muito bem elaborados. Um trabalho bastante dinâmico e criativo!


PÃO


 MOSCA

 
César foi meu professor na faculdade de Letras, e é meu amigo desde os meus 12 anos de idade, quando fiz um curso de violão na cidade de Guarulhos, na Grande São Paulo, e ele nos dava excelentes aulas de Arte Literária. Sempre acompanhei seu trabalho como escritor ao longo do tempo, porém VERSO EM VOZ teve um significado especial para mim: tive a honra e a alegria de participar do projeto! :)




Minha colaboração foi tocar flauta transversal na faixa 05 do CD, no poema "Cordas". Toquei pequenos trechos das canções The fool on the hill e Mother nature's son, dos Beatles, Let'em in, do Paul McCartney e também algumas notinhas do Bolero, de Ravel. Adorei participar!!!




Para adquirir o livro ou conhecer mais sobre o trabalho do autor, acesse AQUI.


VEJA A RESENHA EM VÍDEO: